5 fatos sobre John Dee

Conheça mais sobre esse importante britânico

 

1 – Infância e juventude

Nascido em 13 de julho de 1527, John Dee foi um matemático, naturalista e ocultista britânico. Natural de Londres, veio de uma família pouco importante da nobreza. Em 1542, foi aceito na Universidade de Cambridge, onde se destacou conseguindo seu bacharelado e seu mestrado. Entre o final da década de 1540 e do início dos anos 1550, viajou por alguns países da Europa para estudar.

 

O glifo de Dee , cujo significado ele explicou em Monas Hieroglyphica.

 

2 – Começo da carreira

Em 1551, Dee conseguiu um cargo de professor de matemática na Universidade de Paris e em 1554 na Universidade de Oxford, no entanto, ele era mais ambicioso que isso. No ano seguinte, o cientista britânico se aproximou da corte da Rainha Mary I, mas logo foi acusado de heresia por usar astrologia com a rainha e a princesa Elizabeth. Ele próprio se defendeu, conseguindo inclusive se tornar amigo dos seus juízes.

 

O “selo de Deus”, Museu Britânico.

 

3 – Conselheiro da rainha

Afastado da corte de Mary, John Dee acabou por se estabelecer em Mortlake, localidade próxima a Londres. Em sua nova propriedade criou um laboratório e uma biblioteca particular que logo se tornou a maior da Inglaterra. Em 1558, Elizabeth (saiba mais aqui) subiu ao trono e chamou o cientista para ser seu consultor científico, medicinal e astrológico. Como assessor da coroa, foi importante nas descobertas inglesas, ajudando na confecção de mapas e tecnicidades da arte da navegação. Ele foi um dos primeiros defensores de um possível Império Britânico, fato que se mostraria correto anos depois.

 

Um gráfico de Johannes Trithemius’s Steganographia na mão de John Dee que copiou todo o manuscrito em 1591.

 

4 – Em busca do sobrenatural

Dee foi consultor de Elizabeth por muitos anos, mas na década de 1580 se afastou do ofício para seguir sua busca pela compreensão dos segredos da natureza. Adepto da astrologia, alquimia e outras artes ocultas, ele acabou por ser atraído pelo médium Edward Kelley, com quem compartilharia a visão de que seria possível falar com os anjos. Na busca por essas revelações, vagaram pela Europa, visitando reinos como a Polônia e a Boêmia. Apenas em 1589, o naturalista inglês suspeitou do caráter de Kelley, retornando com sua família para a Inglaterra.

 

Objetos usados ​​por Dee em sua magia, agora no British Museum .

 

5 – Anos finais

John Dee voltou completamente falido, tendo gasto toda a sua fortuna com as viagens e suas pesquisas. Encontrou sua biblioteca e vários artefatos danificados, além de perceber vários furtos dos seus objetos. Recebeu auxílio financeiro de amigos e foi indicado pela rainha Elizabeth para o cargo de diretor da Universidade de Manchester. Em 1603, a monarca faleceu e deixou seu antigo conselheiro sem uma grande apoiadora. O novo rei, James I, era completamente contra a busca pelo sobrenatural, o que fez com que Dee acabasse morrendo na pobreza e no esquecimento em 1608. Tinha 81 anos de idade.

  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •