7 curiosidades sobre a Mauritânia

1 – A Mauritânia é um país situado no noroeste da África e que faz fronteira com Senegal, o Mali, a Argélia e o território do Saara Ocidental (saiba mais aqui). É banhada pelo Oceano Atlântico e a maioria do seu território está localizado no Deserto do Saara. Conseguiu sua independência da França em 28 de novembro de 1960.

 

Mais de 65% do território da Mauritânia fica no Deserto do Saara

 

2 – O país foi o último a abolir a escravidão no mundo, em 1981. Há relatos de que a prática ainda existe em algumas áreas da Mauritânia. Como mais de 65% do seu território está no Deserto do Saara, a agricultura ocorre apenas no sul. A falta de alimentos e a pobreza extrema acarretam graves problemas de saúde pública, como uma altíssima mortalidade infantil e um Índice de Desenvolvimento Humano de 0,513, considerado baixo. A renda média da população é considerada uma das piores do mundo e o analfabetismo atinge quase metade dos mauritanos.

 

A mineração é a principal área econômica do país

 

3 – Com uma área de mais de 1 milhão de km², mas com uma população um pouco maior que 4 milhões de pessoas, a Mauritânia é um dos países com menor densidade demográfica do mundo. A capital Nouakchott é de longe a mais populosa, com quase 1 milhão de habitantes. Aproximadamente 40% dos mauritanos são mestiços (mistura entre mouros e negros), 30% são de origem moura (população típica do norte da África) e 30% são negros. Quase 100% da população é muçulmana sunita. A língua oficial e mais falada é o árabe, mas o francês (língua dos colonizadores) e línguas e dialetos (majoritariamente faladas pelos negros) vindas da África subsaariana também têm muitos falantes.

 

4 – A economia mauritana é baseada na exploração do minério de ferro (quase 50% das exportações do país) e na pesca. Mas a maioria da população depende da agricultura e/ou pecuária de subsistência. As secas severas e uma política econômica mal-sucedida fizeram o país pedir ajuda ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Nos anos 2000 foram descobertas reservas de petróleo na Mauritânia, mas a quantidade produzida não é considerada alta. A moeda mauritana se chama Ouguiya, que incrivelmente não é baseada no sistema decimal.

 

Bandeira da Mauritânia

 

5 – A política no país é complicada principalmente por diferenças étnicas entre os mouros (habitantes tradicionais do país) e as populações negras vindas no sul da África. É uma República islâmica, em que há influência da religião dentro do Estado. Na questão governamental, é uma República semipresidencialista nos moldes franceses, em que há tanto presidente, quanto primeiro-ministro. Em 2008 houve um golpe militar, no qual houve retirada do governo civil. Um ano após o incidente, um dos líderes da insurreição foi eleito democraticamente para o cargo de presidente, se mantendo no posto até hoje em dia.

 

 

6 – A Mauritânia tem uma rica história: era povoada por um povo agricultor até a invasão dos berberes (população típica do norte da África). Mesmo assim, uma grande parcela do território do país era dominado pelo Império do Gana (não confundir com o atual país africano) até o meio da Idade Média. No século 11 os muçulmanos almorávidas (mouros de origem berbere e árabe) conquistaram a Mauritânia e mantiveram o poder por vários séculos. No século 19 a França começou a colonizar a área e manteve o controle até 1960. Com a independência, a pequena aldeia de Nouakchott se tornou capital do país e foi crescendo de forma muito elevada com o passar dos anos, muito por conta das secas que atingem a população mauritana desde os anos 70.

 

A história da Mauritânia é intimamente ligada ao Saara e aos povos que nele habitam 

 

7 – A cultura mauritana é quase que exclusivamente de influência moura, mesmo que a imigração de povos negros do sul tenha mudado um pouco esta situação. Se destacam a música e as tradições orais, já que muitos mauritanos não sabem ler nem escrever. O turismo no país é praticamente nulo, com a grande maioria das atrações sendo encontradas na capital Nouakchott.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •