8 fatos sobre Epitácio Pessoa

Conheça mais sobre essa importante personalidade brasileira

 

1 – Epitácio Lindolfo da Silva Pessoa nasceu na Paraíba, em 23 de maio de 1865, foi um político, magistrado, diplomata, professor universitário e jurista brasileiro, presidente da república entre 1919 e 1922. O período de governo foi marcado por revoltas militares que acabariam na Revolução de 1930, a qual levou Getúlio Vargas ao governo central.

 

Epitácio Lindolfo da Silva, bacharel em 1886, professor da Faculdade de Direito do Recife e presidente da República.

 

2 – Seus pais morreram de varíola quando tinha sete anos de idade. Então, ele foi educado pelo tio, Henrique de Lucena, então governador de Pernambuco. Epitácio se formou em Direito. Foi deputado federal em duas oportunidades, ministro da Justiça, do Supremo Tribunal Federal, procurador-geral da República, senador três vezes, chefe da delegação brasileira junto à Conferência de Versalhes e juiz da então Corte Internacional de Haia.

 

Constituição brasileira de 1891, página da assinatura de Epitácio Pessoa (primeira assinatura). Acervo Arquivo Nacional

 

3 – Proclamada a República, foi convidado pelo governador Venâncio Neiva para ser secretário-geral do primeiro governo republicano da Paraíba. Foi deputado no Congresso Constituinte de 1890 a 1891, quando destacou-se, e aos vinte e cinco anos de idade revelou-se jurista consumado. Em 1894, resolveu abandonar a política, por discordar do presidente Floriano Peixoto. Foi para a Europa e casou-se com Maria da Conceição de Manso Saião.

 

Carlos Chagas, em recepção ao Presidente da República Epitácio Pessoa e ao Rei Alberto I da Bélgica.

 

4 – Depois foi ministro da Justiça no Governo Campos Sales, quando convidou Clóvis Beviláqua, seu colega como professor da Faculdade de Direito do Recife, para elaborar o projeto de Código Civil, que veio a ser sancionado em 1916, e exerceu simultaneamente o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal e procurador-geral da República de 1902 a 1905.

 

Capa da Gazeta de Notícias.

 

5 – Em 1912, elege-se senador pela Paraíba. Depois foi para a Europa e lá viveu até 1914. Retornou ao Brasil nesse ano e, logo após, com o fim da Primeira Guerra Mundial, chefiou a delegação do Brasil na Conferência de Paz de Versalhes, em 1919.

 

Instituto Epitácio Pessoa.

 

6 – Epitácio disputou a sucessão de Delfim Moreira, vice-presidente da república que assumiu a presidência devido ao falecido presidente eleito Rodrigues Alves. Foi indicado candidato a presidente quando representava o Brasil na Conferência de Versalhes. Ele venceu as eleições sem nem ter saído da França (caso único na história da república brasileira). Sua vitória foi marcada por simbolismos, pois um presidente paraibano representava uma primeira derrota da política do café-com-leite. Contudo, ainda assim ele representava a escolha das oligarquias paulista e mineira.

 

O Presidente Epitacio Pessoa e o Corpo Diplomatico no Anno Novo de 1922.

 

7 – Enfrentou um dos períodos políticos mais conturbados da Primeira República, como a Revolta do Forte de Copacabana. No campo artístico, destacou-se a Semana de Arte Moderna, ocorrida em São Paulo, que buscava instituir novo modo de fazer arte no Brasil. Pretendiam fugir das concepções puramente europeias e criar um movimento tipicamente nacional.

 

Busto de Epitácio Pessoa no Pátio dos Canhões no Museu Histórico Nacional no Rio de Janeiro

 

8 – O assassinato de seu sobrinho João Pessoa causou-lhe forte abalo emocional. A partir daí, foi-se desligando das atividades públicas. Em 1937, surgiram os primeiros sinais de que sua vida estava chegando ao fim. O Mal de Parkinson e os problemas cardíacos agravaram-se. Epitácio Pessoa ainda resistiu até 13 de fevereiro de 1942, quando morreu no sítio Nova Betânia, perto de Petrópolis.

  • 4
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •