8 fatos sobre Zumbi dos Palmares

Conheça mais sobre este grande líder do Quilombo dos Palmares

 

1 – Zumbi foi um dos líderes e principal nome do Quilombo dos Palmares, o principal refúgio de escravos fugitivos no Brasil Colônia. Nascido em 1655 (não se sabe a data exata), o chefe quilombola é considerado um símbolo de resistência contra a opressão racial. O seu nome significa espectro ou fantasma na língua kimbundu. Morreu em 20 de novembro de 1695, após ser traído por um companheiro.

 

2 – Nasceu na Serra da Barriga, em algum assentamento do Quilombo dos Palmares. Na época, a região pertencia à Capitania de Pernambuco. Aos 6 anos foi capturado e dado de presente a um padre português residente em Porto Calvo, atual estado de Alagoas. Na companhia do missionário aprendeu o português, o latim e foi catequizado aos moldes católicos. Também foi batizado de Francisco.

 

 

3 – Aos 15 anos fugiu e retornou aos Palmares. Era sobrinho do então líder Ganga Zumba e começou a se destacar como guerreiro e estrategista. Aos 20 anos de idade já era um dos principais líderes e conselheiros do tio.

 

4 – O Quilombo dos Palmares começou a se formar por volta de 1580, onde hoje se situa a cidade de União dos Palmares em Alagoas. Escravos fugidos de Pernambuco e da Bahia construíram uma sociedade organizada e passaram a resistir aos ataques dos bandeirantes e dos senhores rurais da região. Os povoamentos se espalharam pela região e eram conhecidos como mocambos. O mais famoso e sede política do quilombo era a Cerca do Macaco. A resistência negra atingiu seu auge após as invasões holandesas, que permitiu a fuga de milhares de escravos para os Palmares. Alguns historiadores falam que havia mais de 15 mil pessoas morando no quilombo.

 

O Quilombo dos Palmares foi o maior símbolo da resistência dos escravos no Brasil Colônia

 

5 – A sociedade vivia da caça, pesca, extrativismo vegetal e da agricultura de subsistência. Alguns relatos de comércio com moradores de regiões vizinhas dos Palmares são aceitos como verídicos.  Também há dúvidas se existia escravidão dentro do próprio quilombo, com a população se organizando em uma hierarquia oligárquica assim como em algumas civilizações africanas. A maioria dos historiadores acredita que existia algo parecido com o feudalismo, com algumas pessoas sendo servas ou devendo favores a líderes locais.

 

6 – Em 1678 Ganga Zumba aceitou um acordo com o governador de Pernambuco, mas Zumbi liderou uma revolta contra seu tio e que defendia a resistência do quilombo. Apenas em 1680 o jovem se tornou líder oficial dos quilombolas após seu tio ter sido supostamente envenenado ou assassinado.

 

A data da morte de Zumbi, 20 de novembro, se tornou o Dia da Consciência Negra no Brasil

 

7 – Sua liderança foi conhecida pelo pulso firme e pelo enfrentamento ao governo colonial. Usou táticas de guerrilha para se defender e conseguir tomar munições e armas dos bandeirantes e do exército português. A companheira de Zumbi, Dandara, se destacou liderando as guerreiras mulheres. 15 expedições oficiais para derrotar o Quilombo dos Palmares foram enviadas e voltaram mal-sucedidas. O Governo de Pernambuco então tomou medidas drásticas: contratou os bandeirantes Domingos Jorge Velho e Bernardo Vieira de Melo, que contaram com aproximadamente 6 mil homens para acabar com a resistência quilombola.

8 – Em 1694 o ataque dos bandeirantes conseguiu derrotar as tropas do quilombo. Zumbi ferido foge,se esconde e continua as táticas de guerrilha até o ano seguinte. Em novembro de 1695, um dos seus companheiros foi capturado e o entregou. O líder quilombola foi então morto, decapitado e sua cabeça foi enviado ao Recife, onde ficou exposta. O dia da morte de Zumbi dos Palmares se tornou o Dia da Consciência Negra no Brasil e foi criado um legado de resistência ao redor do seu nome.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •