Criação da Libéria

Conheça mais sobre este país africano

 

A Libéria se localiza na costa oeste da África, tem cerca de 4 milhões de habitantes e é um dos países mais pobres do mundo. O que diferencia este Estado dos demais é como ele foi formado. No início do século 19, colonos norte-americanos compraram terras no continente africano e começaram a enviar ex-escravos para esse território.

 

A Libéria fica na costa oeste da África

 

A Sociedade Americana de Colonização foi a principal responsável pela organização das expedições para compra e povoamento da Libéria. Liderada por Robert Finley, o objetivo da organização era conduzir os afrodescentes livres para a África, visto que eles provavelmente não se integrariam na sociedade americana. A partir de 1820, a ideia passou a ter apoio do presidente James Monroe. No mesmo ano, o primeiro grupo chegou ao local.

 

A partir de 1821 a quantidade de pessoas enviadas foi elevada, culminando na mudança de nome do território para Libéria em 15 de agosto de 1824. O que os colonos não esperavam era a confusão com as diversas etnias já presentes na área. Em 1847, o país declarou sua independência dos Estados Unidos, se tornando a primeira colônia africana livre. Se baseou muito na organização estatal americana, inclusive na escolha da bandeira e do nome da capital – chamada Monróvia em homenagem a James Monroe.

 

Como na maioria das guerras civis africanas, crianças e adolescentes foram usados no conflito na Libéria

 

Até 1980 a Libéria foi governada por um mesmo partido, que saiu após um golpe de estado liderado por um militar. Entre 1989 e 1996 o país viveu uma guerra civil que ocasionou graves perdas a nação. Até 2005 a instabilidade reinava no país, os conflitos internos e um embargo econômico não permitiam a normalização da situação liberiana. Apenas com a intervenção da ONU e a realização de eleições nacionais livres e limpas foi possível começar um processo de melhoria da condição no Estado africano.

 

Primeiro presidente da Libéria, Joseph Jenkins Roberts

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •