Jardins Terapêuticos

Saiba mais sobre esta nova forma de terapia

 

 

Por Victor Ávila

 

 

Quando pensamos em andar ao hospital, geralmente somos tomados de muito estresse e sensações nada confortáveis. Talvez seja pelo fato de que as estruturas sejam ligadas diretamente a doenças e momentos de graves emergências. Tudo muda, entretanto, quando entramos em um jardim. O contato com a natureza nos faz mais livres e relaxados. Os jardins terapêuticos, que estão na moda nos Estados Unidos e na Europa, proporcionam esta sensação aos usuários: bem-estar, tranquilidade e contato com a natureza.

Referência na Itália e Europa o escritório de arquitetura Monica Botta, em Milão, projeta jardins com finalidade terapêutica, onde submete o usuário ao contato direto com a natureza. Esse é o ponto principal deste tipo de projeto paisagístico, e com o grande objetivo de colocar o usuário em primeiro plano. Isto se dá a partir das descrições da American Horticultural Therapy Association – AHTA (Associação Americana de Terapia Horticultural), que descreve detalhadamente os procedimentos básicos para o jardim, tais como especificidade, localização, atividades e usuários.

 

Fonte: http://www.monicabotta.com – Esboço de jardim para Alzheimer

 

Dentre os usuários mais comuns estão as pessoas afetadas pelo Mal de Alzheimer, a doença do esquecimento, que atinge geralmente idosos. Particularmente, estes indivíduos sofrem algumas limitações, como síndrome de pânico e a não distinção da cor branca e medo das cores escuras e sombras. Daí a necessidade de um local onde se sintam bem. O jardim é justamente projetado pensando nessas adversidades e proporcionando um ambiente prazeroso.

A projetação de um jardim terapêutico para pacientes com Alzheimer é muito complexa e devem ser levados em conta todos os detalhes possíveis; da pavimentação a altura da vegetação, do percurso ao efeito cromático das flores e folhas das plantas e acima de tudo o respeito às limitações dos usuários. Um outro público alvo são os pacientes com dificuldade motora. Os jardins oferecem, além do bem-estar e contato com a natureza, a possibilidade de desenvolver atividades físicas com equipamentos de última geração.  

 

Fonte: http://www.monicabotta.com

 

Este tipo de paisagismo faz com que os usuários sejam estimulados, através do contato direto com o “verde”, em todos os aspectos – psicológicos, sociais, físicos e sensoriais. Neste último aspecto é possível obter uma estrutura onde todos os sentidos são estimulados. A visão é atiçada pelo efeito cromático da vegetação, onde se trabalha com diferentes tonalidade de cores; já o tato é incitado pelas plumas ou espigas das gramíneas ou pelo efeito sedoso das folhas quando tocadas ou pela diferença de pavimentação; árvores e arbustos frutíferos são colocados para que os usuários possam colher seus próprios frutos e comê-los ali mesmo; com plantas aromáticas é possível que haja diferentes perfumes e por fim, o som de um ambiente livre e cheio de vida proporciona a imersão completa na natureza.

 

  • 16
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •