Mulheres Marcadas: a violência contra as mulheres em Garanhuns

Conheça histórias de vida de mulheres agredidas e o trabalho de dois órgãos para protegê-las

 

 

Por Gabriela Ramos e Audálio Machado

 

 

Desde que a Lei Maria da Penha (saiba mais aqui) foi sancionada em 2006 a luta pela diminuição da violência contra as mulheres aumentou no Brasil. Com esta lei, a violência contra a mulher deixou de ser tratada como um crime de menor potencial ofensivo. A principal finalidade da legislação não é punir os homens. É prevenir e proteger as mulheres da violência doméstica e fazer com que estas mulheres tenham uma vida livre de violência. 

Segundo o artigo segundo da supracitada lei: “Toda mulher, independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social”.

 

NÃO!

 

Seguindo estes preceitos, a Secretaria da Mulher de Garanhuns (Secmul) vem desempenhando este papel de proteção no município pernambucano. A 9ª Delegacia de Polícia da Mulher também apresenta um importante papel neste quesito. Por serem quase vizinhas, as duas instituições trabalham conjuntamente contra a violência doméstica e na prevenção do feminicídio. Esse serviço prestado garante que se tenha participação, controle social e autonomia para que essas mulheres possam sair do tormento de agressões físicas e psicológicas no seu ambiente familiar. O objetivo da criação da Secretaria foi a inclusão, com cidadania e direitos igualitários. Toda equipe tem um compromisso na luta pelos direitos humanos.

O trabalho de empoderamento realizado faz com que toda a equipe consiga construir um processo reparador na vida dessas mulheres. Mostra que elas merecem respeito e devem ser tratadas com dignidade. Muitas vezes, essas mulheres não sabem que existe uma Secretaria voltada especialmente para elas. Por isso, as campanhas de conscientização contra a violência ocorrem em bairros, escolas e por toda cidade, explicando que o órgão está ali para combater essa violência e tornar a vida delas mais digna.

 

A Secretária da Mulher de Garanhuns, Walkíria Ferreira

 

O nome da Secretaria é em homenagem a Joana Beatriz de Lima Silva, uma jovem de 13 anos que foi estuprada e estrangulada em Garanhuns. Os dois suspeitos do crime foram inocentados. A atual secretária é Walkíria Ferreira, antes servidora da própria repartição. Também se destacou Eliane Vilar, antiga secretária que atualmente lidera a Secretaria de Educação da cidade. Os nomes de Sheila Gomes, Maria do Rosário Sarduy (assistentes sociais) e Laura Paes (psicóloga) também devem ser lembrados no trabalho dentro do órgão. A delegada Débora Tenório comanda a Delegacia da Mulher em Garanhuns.

 

A delegada Débora Tenório lidera a Delegacia da Mulher em Garanhuns

 

Precisamos entender que a culpa nunca é da vítima. NUNCA! A agressão é de inteira culpa e responsabilidade do agressor que reprime e abusa da violência, guiado por razões que não tem nenhuma justificativa. Muitas vezes o medo domina e faz a mulher se sentir acuada diante de uma situação de agressão por seu companheiro. Este foi o caso de Suzana Roberta da Silva Santos, que foi casada por 23 anos com um policial, que usava da sua profissão para a perseguir, ameaçar e a agredir. A história dela é contada no vídeo abaixo:

 

 

Nós precisamos falar sobre violência doméstica, abuso sexual e mostrar para essas mulheres que sofrem com isso, que é possível SIM, sair dessa. É necessário lembrar que as mulheres podem ter o apoio necessário, que a vida pode ser mais que isso, que elas possuem um valor enorme para a sociedade e para suas famílias. Antes que alguma mulher perca sua identidade e vire só mais um número nas estatísticas de violência do nosso pais, do nosso estado e da nossa cidade. Suzana mostrou isso com sua história, e hoje ela não é mais aquela mulher que andava de cabeça baixa, hoje ela é uma NOVA MULHER.

 

Dados referentes até maio de 2017. Fonte: Secretaria da Mulher de Garanhuns

 

Se você é agredida ou sabe de alguma mulher sendo agredida saiba onde procurar ajuda:

 

Secretaria da Mulher

 

Avenida Frei Caneca, 344, – Heliópolis – Garanhuns – PE

Telefone para contato: (87) 3762-9115

E-mails: secretariamulher@garanhuns.pe.gov.br e secmul.gus@gmail.com

 

9ª Delegacia de Polícia da Mulher

 

Avenida Frei Caneca, 460 – Heliópolis – Garanhuns – PE

Telefone para contato: (87) 3761-8509

 

Referências

 

https://secviolenciadenunc.wixsite.com/mulheresmarcadas

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •