Pompeia e Herculano destruídas pelo Vesúvio

Conheça mais sobre a tragédia que dizimou duas cidades romanas

 

O Vulcão presente no Monte Vesúvio estava inativo há aproximadamente 800 anos, então a população das cidades romanas de Pompeia e Herculano não  esperava a catástrofe que veio a ocorrer no dia 24 de agosto de 79 d.C. (data convencionada para o acontecimento). A erupção ocorrida no início da tarde selaria o destino de aproximadamente 15 mil pessoas e se tornaria uma das mais catastróficas e conhecidas tragédias provocadas por vulcões na história.

 

O Vesúvio expeliu milhões de toneladas de cinzas, lava e rochas. Alguns habitantes das cidades próximas ao vulcão conseguiram escapar, mas as pessoas que permaneceram em Pompeia e Herculano encontraram um triste fim: o fluxo  de lava chegou aos locais em grande velocidade, com temperaturas de aproximadamente 700 °C. As pessoas e animais foram mortos incinerados ou asfixiados.

 

As formas das pessoas mortas pela erupção foi conservada pelas cinzas vulcânicas e pela lama que se sedimentaram na duas cidades

 

O interessante, é que fora a descrição de Plínio, o Jovem, não havia mais registros da erupção. Até o século 18 não se sabia ao certo a localização de Pompeia, achada por acidente. A população e construções da cidade estavam envoltos em lama e cinzas vulcânicas, o que preservou muitos aspectos do lugar da ação do tempo. Herculano, que tinha por volta de 4 mil habitantes na época da tragédia, foi achada alguns anos antes do povoamento vizinho.

 

Consideradas Patrimônios Mundiais pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), as duas cidades são visitadas por milhões de turistas todos os anos. A última erupção do Vesúvio ocorreu em 1944, e desde esse episódio ele se mantém tranquilo. Hoje em dia, há várias cidades e vilas próximas ao vulcão. O Google permite qualquer pessoa fazer um tour virtual pelas ruínas de Pompeia, só é clicar e conferir!

 

Vesúvio hoje em dia, com vários núcleos urbanos próximos da sua área
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •