Reconhecendo as memórias

Será que você conhece Garanhuns? Veja como nossa cidade mudou com o tempo

 

Por Bruna Matos

 

Próximo dia 19 é comemorado o Dia Mundial da Fotografia. Este importante recurso de memória, nos permite, entre as infinitas possibilidades, reconhecer o lugar de onde viemos. Resgatar e despertar esse tipo de memória é essencial para que um povo identifique e se perceba como sujeito de sua própria história.  Contudo, devido ao rápido e desordenado crescimento das cidades brasileiras, houve uma progressiva perda e descaracterização das edificações.

Em Garanhuns, os imóveis localizados no centro da cidade, vem constantemente passando por mudanças e reformas. O mercado tem exigido adaptações estruturais para proporcionar espaços mais confortáveis ao consumidor, mas essa mudança acabou por descaracterizar quase que totalmente o espaço onde bate o coração da cidade.

Para celebrar o Dia Mundial da Fotografia, observe algumas imagens aéreas antigas da cidade de Garanhuns e tente identificá-las antes de ler as legendas. Será que você conhece o lugar que você pertence?

 

Avenida Santo Antônio nos anos 50

 

  1. Das edificações marcadas na foto é a única que ainda é preservada. No térreo funcionam lojas e os letreiros acabaram por sujar a fachada da edificação
  2. A antiga Praça da Conceição, que teve intervenção paisagística de Ruber Van Der Linden, transformou-se em passeios públicos menos arborizados e tem um largo muito conhecido na cidade: o largo do Colunata.
  3. Edificações demolidas ou descaracterizadas pelos grandes letreiros das lojas.
  4. Prédio do famoso “Shopping Center Brasil”. O prédio ainda existe, mas apresenta a fachada bem diferente da original.
  5. Casas demolidas e local onde hoje encontra-se a loja Ferreira Costa.

 

Vista aérea de Garanhuns antes da década de 70

 

  1. Colégio Diocesano de Garanhuns. Blocos principais conservados, conforme projeto original, e anexos criados devido à demanda que a escola apresenta.
  2. Antigo Hotel Petrópolis. Hoje encontra-se sem uso, com uma estrutura totalmente precária.
  3. Mosteiro de São Bento. Exemplar preservado.
  4. Praça da Bandeira. Passou por mudanças ao longo do tempo, mas ainda resiste como praça.
  5. Antiga estação ferroviária, hoje Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti.
  6. Edificação demolida.
  7. Avenida Dantas Barreto.
  8. Casarão ainda preservado, onde hoje funciona o Instituto Histórico e Geográfico de Garanhuns.
  9. Edificação demolida. Na nova e ainda existente, com características modernistas, funcionou o fórum da cidade.
  10. Colégio Santa Sofia. Edificação preservada, mas assim como o Colégio Diocesano, foram acrescentados alguns anexos internos.
  11. Catedral de Santo Antônio. Edificação preservada.

 

Foto 3

 

* As vias estão destacadas por cores seguindo uma lógica de fluxo (do mais intenso para o menos intenso), e foram representadas respectivamente nas cores: vermelha, laranja e amarela.

  1. Edificação descaracterizada. Hoje localiza-se a sorveteria Chiquinho.
  2. Edificação demolida. Hoje funciona a loja Chilli Beans.
  3. Edificação descaracterizada. Hoje funciona a lanchonete Amazônia Mix.
  4. Colégio Santa Sofia.
  5. Prefeitura Municipal de Garanhuns. Edificação com características art decó e preservada até os dias atuais.

 

Foto antiga do bairro de Heliópolis

 

* Nesta imagem perceba que a cidade quase inexistia no bairro de Heliópolis, antigamente chamado de “Arraial”. As poucas e baixas edificações possibilitavam uma vista totalmente limpa do alto da Colina Monte Sinai.

  1. Eucaliptos recentemente derrubados. Alegou-se risco de queda das árvores. A propriedade fica ao lado do supermercado Bonanza, na Avenida Rui Barbosa.
  2. Atual Parque Euclides Dourado.

 

NOTAS:

Conheça o Instituto Histórico e Geográfico de Garanhuns, localizado na Praça Dom Moura, fica vizinho ao antigo Fórum, no bairro de Santo Antônio.  O IHGG tem um blog que contém matérias sobre a história de Garanhuns e sobre os eventos que realiza, acompanhe: http://garanhunsinstituto.blogspot.com.br/

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •