A vida é um grande aprendizado

Ela é uma experiência em que ninguém está imune aos erros e acertos.

 

 

Por Rebecca Dantas

 

 

A vida é um grande aprendizado, na qual ninguém é imune aos erros e acertos.

Tantas vezes na vida temos feito tantas coisas de forma convicta e alguns passos adiante, percebemos que precisamos voltar. Não voltar no tempo ou nas escolhas. Isso já não é mais possível. Inclusive, aprender a reverenciar os erros, pode até doer um bocado, mas nos torna quem somos agora. Voltar a si e ao outro que passou pelas nossas vidas e tanto contribuiu – ou nem tanto – mas de alguma forma passou.

Passar, passado, passadas, engraçado como tudo tem relação com os nossos passos, como nossa caminhada. Às vezes mais curtas, às vezes mais longas, a depender do lugar que estamos passando, do tempo que passou, está passando ou vai passar, das pessoas que estão passando (dando passos), passeando com você. Tudo em um compasso louco, às vezes regrado, às vezes largado (porque cada um tem seu ritmo), que se chama vida.

 

Qual o(s) caminho(s) que você toma na sua vida?

 

Vida, Vida, Vida! Poderia nesse momento repetir esta palavra infinitas vezes e em cada uma delas, diferentemente do que o dicionário diz, haveria um significado diferente. Poderia ser amor, liberdade, dor, tristeza, buscas, aprendizados, e até mesmo caminhada. Engraçado, porque nosso conceito de caminhada é também um pouco limitado. Entende-se caminhada como percurso, rota, trilha, que na maioria das vezes tem uma duração. É muito comum alguém dizer: “vou ali dar uma caminhada”. Em alguns minutos ou horas, ela volta e pronto, caminhou naquele dia. Admiro essas pessoas que conseguem caminhar de forma tão rápida e decidida, elas já têm em mente onde vão e a que horas voltarão. Podem repetir isso por dias, meses e anos.

O que é inusitado, é quando algo não sai como planejado, uma pedra no caminho, de repente um tropeço, a gente cai, se machuca, mas sempre volta a caminhar. Ou de repente, a pessoa sentiu-se insegura ao passar pela esquina de sempre e precisa mudar o roteiro, isso pode tomar um pouco mais de tempo. Tempo que as levou a ver uma flor linda que nasceu na outra rua, e de repente, o caminho ficou mais bonito, o compasso mudou. Esses dias sempre chegam.

 

 Quando algo não sai como planejado, uma pedra no caminho, de repente um tropeço, a gente cai, se machuca, mas sempre volta a caminhar”.

 

Eu costumo repetir uma frase que ouvi certa vez: “quem faz tudo igual, morre mais cedo”. Não sei como, nem por quê, mas essas palavrinhas tomaram conta de mim, e desde então não consigo mais ir e voltar pela mesma calçada, ainda que em poucos passos. Isso piorou quando comecei o curso de Arquitetura. Agora eu observo quase tudo – é que a gente precisa aprender a treinar o olhar para as coisas que estão sendo construídas no mundo. E ele muda o tempo todo. Encontrar o que permanece é a grande missão.

A parte mais difícil disso tudo é quando a gente percebe que está ficando meio cego, ou quando não deu tempo de perceber que já está tudo escuro. Mas não tem problema, a gente volta – a gente volta, a gente sempre volta – pra aquelas história dos errinhos lá de cima, tentando usar o tato, a visão, a audição, os outros sentidos. Algumas vezes sozinhos, mas sempre ao lado das pessoas que dão passadas com a gente, que passeiam conosco, com o Deus (entenda-se que de qualquer religião) que nos guia e com todo amor que Ele permite que aconteça quando a gente vai reaprendendo a caminhar novamente. Queria dizer que não disse muita coisa, mas consegui entender que a Vida pode sim ser chamada de tudo isso, e se não fosse esse amor aí do final, a gente não conseguiria dar passadas. 

 

A vida (quase) sempre dá oportunidades de recomeçar

 

Obrigada a cada um que já passou comigo por alguma coisa e me desculpem qualquer passo mal dado. Àqueles que fizeram algum mal: É sempre tempo de recuperar os passos perdidos e retirar algumas pedras. Estão perdoados. O amor vence tudo. Viver vence tudo.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •