Natureza e Universo

5 curiosidades sobre as Perseidas

Conheça mais sobre grande chuva de meteoros

 

1 – Informações gerais

As Perseidas (ou Perséiades) são uma grande chuva de meteoros que ocorrem quando a Terra atravessa a órbita do gigantesco Cometa Swift-Tuttle. Esse fenômeno ocorre anualmente entre julho e agosto, com muitos anos tendo como o ápice de aparições das estrelas cadentes em 12 de agosto. Assim como nos anos anteriores, é possível observar este fenômeno até o final do mês.

 

 

Perseidas (2015). Estónia.

 

2 – Por que Perseidas?

Este nome se dá pelo fato da chuva de meteoros parecer vir da Constelação de Perseus, que pode ser observada ao Norte. Por conta disso, o fenômeno pode ser observado com melhor qualidade no Hemisfério Norte. Outro fator que influencia a melhor visão ao norte é a posição da órbita do cometa que gera os detritos espaciais. Em relação ao Hemisfério Sul, quanto mais próximo da Linha do Equador melhor. Desse modo, as pessoas do Norte e Nordeste têm melhor chances de presenciar o evento no Brasil.

 

Uma perseida sobre o fundo da Via Láctea.

 

3 – Observação

As Perseidas podem ser observadas anualmente entre julho e agosto, sendo 8 a 14 de agosto os melhores dias para acompanhar a passagem dos meteoritos. Em dias prolíficos, mais de 60 estrelas cadentes podem ser vistas por hora. Há mais de 2 mil anos o fenômeno é observado pelo mundo. As noites sem lua são as melhores para acompanhar a chuva de meteoros.

 

 

4 – O motivo

Como explicado anteriormente, as Perseidas ocorrem em decorrência da passagem da Terra na órbita do Cometa Swift-Tuttle. Os meteoritos são detritos deixados pelo massivo corpo celeste em suas passagens pelo Sistema Solar. As estrelas cadentes presentes foram deixadas entre 1000 anos atrás e 1862, data da última aparição vísivel a olho nu do cometa.

 

 

5 – Preocupação

O Cometa Swift-Tuttle é um objeto espacial que passou pela última vez na próximo da Terra em 1992. Sua volta em torno do Sol dura em torno de 130 anos, então, a próxima passagem pelo nosso mundo ocorrerá provavelmente em 2126. Ao ser analisado, foi constatado que o núcleo rochoso do astro tem cerca de 27 km de extensão, o que o torna muito maior do que o asteróide (aproximadamente 10 km) que colidiu com a Terra e causou a extinção dos dinossauros. Sua proximidade com nosso planeta causa preocupação, já que é cotado que até o ano 4479, é bem provável que o cometa colida com a Terra ou a Lua. Este é um objeto espacial com risco altíssimo para a vida terrestre se sua órbita se mostrar instável.

  • 4
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Pular para a barra de ferramentas