5 curiosidades sobre o Cometa Olinda

Conheça mais sobre este evento marcante

 

1 – Em 26 de fevereiro de 1860 o astrônomo francês Emmanuel Liais descobriu o primeiro cometa em territórios da América Latina e do Brasil. O cientista que estava a serviço do Observatório Imperial de Paris, foi enviado a Pernambuco para uma missão científica. Estava trabalhando no pequeno observatório existente na Praça da Sé em Olinda, quando avistou o astro. Sim, isso mesmo! Como homenagem ao local onde achou o corpo celeste, Liais o batizou de Cometa Olinda.

 

Observatório Astronômico do Alto da Sé.

 

2 – O cometa é também conhecido como Cometa de Liais ou C/1860 D1. Por ter uma órbita parabólica, o astro não pode ser visto no mesmo ponto de novo após pelo menos milhares de anos, ou até nunca mais, por esse tipo de orbitação ser bem instável. Quando o astrônomo francês o avistou, ele estava passando na região do céu em que a Constelação de Dourados pode ser vista. A magnitude do Cometa Olinda é de 6,5, o que significa que ele pode ser observado por binóculos ou telescópios de pequeno porte. A facilidade no avistamento do corpo celeste citado também ocorreu pela boa localização geográfica do Alto da Sé e da pouca poluição luminosa no período.

 

Busto de Emmanuel Liais.

 

3 – A descoberta do astro foi publicada na Monthly Notices da Royal Astronomical Society de Londres, na Inglaterra. O conteúdo original pode ser acessado se você clicar neste link. Foi apenas uma página de descrição, porém, se tornou um conteúdo científico importante não só para o Brasil, como para a América.

 

Ilustração eclipse solar de 1858 feita por Emmanuel Liais.

 

4 – Emmanuel Liais, o descobridor do Cometa Olinda foi um astrônomo e político francês natural da cidade de Cherbourg, nascido em 1826. Filho de uma rica família de industriais, Começou a trabalhar perto dos 25 anos no Observatório Imperial de Paris. Chegou ao Brasil em 1858, tendo observado um eclipse solar. Em 1860 descobriu o referido astro protagonista desta matéria. Em 1871 foi nomeado por D. Pedro II (saiba mais aqui) como diretor do Observatório Imperial no Rio de Janeiro. Também ficou como chefe do local entre 1874 e 1881. Por conta de disputas políticas e de ego, resolveu se demitir e voltar para sua cidade natal. Lá retomou sua antiga paixão por Botânica, escrevendo sobre a flora brasileira que estudou durante seus mais de 20 anos no país. Foi duas vezes presidente da Câmara Municipal de Cherbourg. Transformou sua propriedade em um jardim botânico, que doou para a cidade após sua morte, em 1900. Não deixou filhos. Uma cratera em Marte foi nomeada em sua homenagem.

 

O Museu Espaço Ciência é um dos maiores do país em termos de divulgação científica. Além de exibir exposições permanentes e itinerantes de diversas áreas do saber, o local é muito frequentado para a diversão das crianças e jovens.

 

5 – Por conta da descoberta do Cometa Olinda, um observatório astronômico foi erigido próximo ao local do descobrimento. A obra é datada de 1890. Foi transformado em estação metereológica em 1922 e desativado em 1960. Foi recuperado e reaberto pelo Espaço Ciência em 2004 e recebe visitas semanais e gratuitas.

  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •