Pessoas

5 fatos sobre Jean-Baptiste de Lamarck

Entenda mais sobre a vida deste famoso naturalista francês

 

1 – Infância e juventude

Jean – Baptiste Pierre Antoine de Monet, foi um naturalista e militar francês responsável por dar os primeiros passos do Evolucionismo. Nascido em 1° de agosto de 1744, era o filho caçula de 11 irmãos. Descendente de uma família de militares da baixa nobreza, posteriormente teria o título de Chevalier (Cavaleiro, em português) de Lamarck. Como o mais jovem, seus pais decidiram que ele seguisse a carreira religiosa ainda na infância.

 

Gravura de um jovem Lamarck

 

2 – Carreira militar

Mesmo no seminário jesuíta, Lamarck sabia que não tinha vocação religiosa, mas era forçado a continuar ali. No entanto, seu pai morreu em 1759, o que lhe permitiu sair da vida religiosa para entrar no Exército Francês. Após dois anos de treinamento, se tornou cavaleiro na Guerra dos Sete Anos. Lutou até o fim do conflito dois anos depois. Nesta mesma época começou a se interessar por Botânica. Em 1768, adquiriu uma doença nos linfonodos do pescoço, o que fez com que fosse dispensado da sua carreira militar.

 

 

3 – Início na Ciência

Vivendo apenas de um pequena pensão, Lamarck conseguiu um emprego de bancário, o que permitiu que pudesse pesquisar as plantas e os animais no seu tempo livre, além de estudar Medicina. Apenas 10 anos depois do início dos seus estudos, o naturalista francês publicou o extenso livro “Flore Française” (Flora Francesa, em português). Esta obra lhe rendeu um emprego no Jardim Botânico Real (atualmente Museu Nacional de História Natural). Com a Revolução Francesa, se torna professor na área de insetos e invertebrados – termo que ele mesmo criou.

 

Primeira edição de “Philosophie Zoologique” (“Filosofia Zoológica”), obra prima de Lamarck (1809)

 

4 – Lamarckismo

Até o começo do Século 19, Lamarck ainda acreditava que as espécies surgiam por conta do ambiente e eram assim desde o início, mas após o estudo com fósseis e invertebrados atuais, percebeu que os seres vivos evoluíam com o tempo. Então, em 1809 lançou “Filosofia Zoológica”, livro que apresentava sua teoria acerca da evolução. O Lamarckismo se baseava em 2 leis básicas: a Lei do Uso e do Desuso, na qual as espécies tendiam a desenvolver os órgãos que mais utilizavam, enquanto os subutilizados atrofiavam. O ambiente também interferiria nesse quesito. Já a Lei dos Caracteres Adquiridos afirma que as características dos seres vivos vão sendo passadas de geração em geração. A tentativa do naturalista francês foi boa, mas muitos aspectos das suas hipóteses estavam erradas, como foi provado posteriormente.

 

Segundo as Leis de Lamarck, o pescoço da girafa cresceu para alcançar os galhos mais altos das árvores (Uso e Desuso) e essa característica seria repassada entre as gerações (Caracteres Adquiridos)

 

5 – Anos finais e rejeição

As proposições de Lamarck não foram bem aceitas: ainda era vigente a ideia de que as espécies eram imutáveis. No final da vida, Lamarck morreu cego e pobre na casa de uma das filhas. Ao falecer em 1829, tinha 85 anos de idade e suas ideias não eram aceitas no meio acadêmico europeu. Apenas alguns anos depois, Charles Darwin (saiba mais aqui) e outros naturalistas começaram a perceber que mesmo estando enganado, havia muita coisa boa no Lamarckismo. Hoje em dia, Jean-Baptiste de Lamarck é considerado como um dos pais da Biologia moderna.

  • 3
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Pular para a barra de ferramentas